segunda-feira, agosto 15, 2011

Ressuscitado dos Mortos

David Wilkerson

Como cristãos, cremos na ressurreição de Jesus Cristo. Após a crucificação do Senhor, o Espírito Santo entrou no túmulo onde Ele jazia e O ressuscitou. É por isso que na Páscoa cantamos que Cristo se levantou da tumba vitorioso, e agora reina para sempre com os santos.

Também cremos que pelo poder de Cristo seremos ressuscitados. Isso acontecerá quando Jesus voltar. As escrituras dizem que todos seremos transformados num piscar de olhos. O Espírito Santo nos elevará desta terra com corpos incorruptíveis e nos colocará na presença do próprio Senhor.

Essa é a ressurreição que Paulo descreve nas epístolas; é o poder de um Deus que levanta os mortos.

Quero lhe mostrar que Cristo ainda ressuscita os mortos hoje

Falo agora da vida ressurreta que Deus dá aos que estão mortos espiritualmente. Paulo descreve esse tipo de poder doador de vida em sua carta aos Efésios:

“Ele vos deu vida, estando vós mortos nos vossos delitos e pecados, nos quais andastes outrora, segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe da potestade do ar, do espírito que agora atua nos filhos da desobediência; entre os quais também todos nós andamos outrora, segundo as inclinações da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos, por natureza, filhos da ira, como também os demais.

Mas Deus, sendo rico em misericórdia, por causa do grande amor com que nos amou, e estando nós mortos em nossos delitos, nos deu vida juntamente com Cristo, - pela graça sois salvos, e, juntamente com ele, nos ressuscitou e nos fez assentar nos lugares celestiais em Cristo Jesus” (Efésios 2:1-6).

Nesse momento muitos cristãos estão mortos no espírito, sem vida real.

Quando se vive segundo a carne, com o tempo virá morte. Não estou falando da morte física. Estou falando de se ter a vida sugada. Por exemplo, quanto mais atado você fica a bens materiais e prazeres da carne, mais pungente é a tentação para se mergulhar fundo neles. E mais vazio você se torna. Isso é morte espiritual.

Paulo refere-se a isso quando diz que temos uma “sentença de morte, para que não confiemos em nós mesmos e sim no Deus que ressuscita os mortos” (2 Coríntios 1:9). Ele testifica basicamente: “O Senhor me livrou de uma grande morte. E continua me livrando. Ele será fiel para me livrar no futuro também”.

Há uma história poderosa por trás do que Paulo está dizendo aqui. Numa ocasião ele estava pregando em Éfeso, uma cidade que adorava a deusa Diana. Os artesões em Éfeso haviam feito fortunas vendendo pequenas réplicas da deusa. Mas quando Paulo entra em cena, ele prega “O teu deus é falso. Há apenas um verdadeiro Deus. E o Seu Filho viveu e morreu para que os que estão mortos no pecado possam viver”.

Furiosos, os comerciantes de prata compreenderam que sua sobrevivência estava em risco. Então agitaram a multidão para que prendessem Paulo, resolvidos a matá-lo. Paulo ficou convencido de que ia morrer.

Na iminência da morte Paulo escreveu essas sentidas palavras

Paulo confessa: “(a) tribulação que nos sobreveio... foi acima das nossas forças, a ponto de desesperarmos até da própria vida” (2 Coríntios 1:8, itálicos meus). Ele acrescenta, explicando, “Já em nós mesmos, tivemos a sentença de morte, para que não confiemos em nós e sim no Deus que ressuscita os mortos” (1:9, itálicos meus).

Diga-me, você alguma vez esteve assim tão aniquilado como Paulo estava, tão distante de recursos? Alguma vez já esteve esvaziado de toda força, tão sufocado a ponto de desesperar até da vida? Quando Paulo diz: “Me desespero da vida”, está dizendo que enfrentou uma sentença de morte: “Recebemos a sentença de morte”.

Mas Deus entrou em cena e o livrou. Havendo experimentado um milagre, Paulo escreveu à igreja em Éfeso: “Ressuscitei dos mortos. O Senhor me tirou da sepultura. Vi o inferno de frente, mas Deus me ressuscitou!”.

Aqui em Nova York vemos multidões na vida diária que parecem estar vibrantes e com vida, mas estão mortos

Essa cidade parece ser a própria definição de vida; não fica quieta momento algum. Presidentes de corporações gigantescas ficam ocupados fazendo acordos, enormes varejistas movem suas mercadorias, companhias de entretenimento vendem milhares de ingressos para shows e exibições.

Enquanto isso, nas ruas camelôs alardeiam seus artigos, donos de cafés servem refeições e motoristas de táxi vão e vêm pegando passageiro após passageiro. Tudo no maior agito e tumulto, com pessoas apressadas. Nova York simplesmente não é uma cidade que tem aparência de morte.

Porém o Espírito de Deus se move nos corações, insistindo nas perguntas: “A vida é só isso? Comprar, vender, se manter ocupado? Atividade por si se traduz como vida real? O que está por trás de tanta ocupação?”.

À noite, as pessoas se lançam às ruas para participar da vida noturna. Para os que não conhecem Cristo, farrear na cidade parece divertido. O pecado é prazenteiro, e a vida noturna nesta cidade tem a aparência de estar muito viva.

Mas o pecado acaba trazendo enfado. E o mesmo pecado que traz prazer também traz dor na alma quando a farra acaba.

Deus fala sério quando diz, “O salário do pecado é a morte” (Romanos 6:23)

Por todo o capítulo 8 de Romanos, Paulo faz um esboço das realidades destrutivas do pecado. Ele diz: “Se você vive segundo a carne, morrerá. Ser guiado pela luxúria, viver só pelos sentidos, leva à morte. O corpo está morto devido ao pecado”.

Em resumo, morte significa não ter vida. E somente Jesus concede vida, declarando, “Eu sou a ressurreição e a vida”.

Devido à falta de vida nos incrédulos, tudo que eles perseguem leva à morte. Essa é a razão pela qual tantos buscam o álcool e drogas “recreativas”. O “barato” não é mais curtição para eles. Não, é uma tentativa de amortecer a dor criada pelo pecado, uma dor causada pelo vazio real.

“Obscurecidos de entendimento, alheios à vida de Deus por causa da ignorância em que vivem, pela dureza do seu coração, os quais, tendo-se tornado insensíveis, se entregaram à dissolução para, com avidez, cometerem toda sorte de impureza” (Efésios 4:18-19).

Que condição terrível Paulo está descrevendo. Ele diz, “Estas pessoas estão tão entregues ao mundo dos prazeres, que deixaram de sentir, ficaram insensíveis”. Ou seja, ficaram amortecidas a qualquer discernimento de Deus ou da vida.

Em Sua misericórdia o Senhor busca toda alma que esteja entorpecida.

Paulo faz um contraste em relação aos que são do corpo de Cristo: “Mas não foi assim que aprendestes a Cristo, se é que, de fato, o tendes ouvido e nele fostes instruídos, segundo é a verdade em Jesus, no sentido de que, quanto ao trato passado, vos despojeis do velho homem, que se corrompe segundo as concupiscências do engano, e vos renoveis no espírito do vosso entendimento” (Efésios 4:20-23).

Paulo torna sua mensagem simples: “Você pode ser ressuscitado. Você pode ser transformado. Você pode ingressar na nova vida”.

Quando preguei essa mensagem em nossa igreja em Times Square, vi uma mulher que assistia o culto - pessoa que havia passado anos dançando e bebendo pelas madrugadas. Ela literalmente havia passado dez anos num clube de dança da vizinhança tentando encontrar paz.

Ao entrar em nossa igreja ela estava cansada de tudo, morta espiritualmente. Chegou com coração desejoso, procurando. Ao me ouvir pregar, pensou, “Este homem está falando diretamente a mim. Ele está lendo a minha mente. Ele dever ser um médium!”.

Ela aprendeu mais tarde que o Espírito Santo estava revelando o conteúdo de seu coração. Aquela noite ela saiu de seu lugar e deu a vida a Jesus. Agora ela está viva pelo poder dAquele que é a ressurreição e a vida!

Em qualquer igreja você pode olhar os que estão ao seu lado,e ver pessoas que estavam mortas e foram ressuscitadas.

Como você, seus companheiros de igreja estavam mortos em transgressões e pecados. Em verdade, muitos dos casais felizes que você vê haviam planejado se divorciar certa vez; estavam convencidos de que o casamento havia acabado, e não havia chance. Mas Deus os levantou para uma nova vida.

Esta semana recebi e-mail de um pastor que havia deixado a igreja. Esse homem estava convencido de haver sido derrotado. Havia caído fundo no pecado e perdeu a esposa e filhos. Sua vida toda desmoronou, e ele se viu contemplando a morte.

Na hora mais negra, ele se ajoelhou e pediu socorro. Jesus veio até esse homem destruído, desesperado, e soprou vida nova dentro dele. Logo após, a esposa lhe telefona, dizendo, “Sinto falta de Jesus. Será que poderíamos tentar de novo?”.

Hoje esse pastor trabalha em um de nossos centros de reabilitação de drogas. Veja Efésios 2:1-2: “Ele (o Senhor) vos deu vida, estando vós mortos nos vossos delitos e pecados... todos nós andamos... segundo as inclinações da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos, por natureza, filhos da ira”.

Talvez essa seja a descrição de sua experiência. Antes de conhecer o Senhor você agia segundo seu próprio querer; você foi levado pelo espírito deste tempo, experimentando todos os pecados e prazeres. Você achava que iria “desligar Deus” até mais tarde. Você achava que suas boas obras e doações lhe salvariam.

E então o Senhor veio até você. “Mas Deus, sendo rico em misericórdia, por causa do grande amor com que nos amou, e estando nós mortos em nossos delitos, nos deu vida juntamente com Cristo, - pela graça sois salvos, e, juntamente com ele, nos ressuscitou, e nos fez assentar nos lugares celestiais em Cristo Jesus” (Efésios 2:4-6).

Amado, tudo isso se refere ao ganho da vida nova - a qual só pode ser encontrada em Cristo. Paulo não está falando aqui da ressurreição final; ele está descrevendo o que Deus faz na terra – ressurreição é aqui e agora!

Me diga se não é ressurreição quando o Espírito de Deus vai às ruas e alcança o pecador necessitado, transformando-o? Isso aconteceu a centenas e centenas de pessoas em nossa igreja. Muitos estavam vivendo nas ruas – alguns sem teto, outros viciados, prostitutas – e Jesus os tocou com nova vida.

O mesmo acontece por todo o mundo em igrejas que pregam o evangelho, sejam grupos grandes ou pequenos. Pessoas mortas são transformadas, recebem nova vida, porque em Cristo tudo se faz novo: “As coisas antigas já passaram; eis que se fizeram novas” (2 Coríntios 5:17).

Creio naquilo que chamamos de “encontros divinos”arranjados pelo Espírito Santo

Um jovem me enviou um e-mail recentemente contando do momento mais dramático de sua vida. Ele diz: “Eu estava em desespero por ter perdido tudo. Eu simplesmente sentia que não havia mais esperança pra mim. Eu tinha tentado todos os pecados, todas as maneiras possíveis de se achar paz. Mas nada ajudava. Finalmente decidi que já bastava. Pus um revólver na cabeça, pronto pra me matar. Aí então fiz uma última oração: 'Deus, se Tu existes, e se me amas, então me pare, ou estou morto'. Naquele momento, ouvi uma voz dentro de mim dizendo - 'Levante, olhe na tua caixa de correio'”. O jovem soltou o revólver e foi até a caixa de correio. Uma pessoa anônima havia lhe enviado um pacote. Ele abriu e descobriu uma cópia de meu livro A Cruz e o Punhal. O jovem se assentou e começou a ler. Continuou lendo até acabar toda a história. Ao fechar o livro começou a chorar. Ele clamou, “Deus, se Tu podes salvar Nicky Cruz, um perigoso chefe de quadrilha, então podes me salvar”.

Hoje este jovem está em chamas para Cristo. Deus veio e interveio, salvando-o de uma dupla morte!

Eu lhe pergunto: o que primeiro o levou a entrar numa igreja?

O que você esperava quando pela primeira vez assistiu a um culto de igreja? Você estava de coração aberto? Você tinha esperança de algo penetrar no seu coração e lhe trazer paz? Você tinha esperança de ser tocado em sua profundidade e receber conforto?

Lhe digo uma coisa: você não entrou na igreja por acaso; isso não veio do nada: o misericordioso Espírito de Cristo o levou lá. Em verdade, Ele tinha você no radar há algum tempo. “Não fostes vós que me escolhestes a mim; pelo contrário, eu vos escolhi a vós” (João 15:16).

O Senhor é soberano. Ele não brinca com a vida das pessoas. Ele pode mover céus e terra para conseguir Seus propósitos. E pode lhe colocar exatamente onde você está, tanto para lhe salvar como para mover o plano dEle para a sua vida.

Há alguns anos atrás uma jovem viciada em heroína veio me ouvir pregar. Ela sustentava o vício se prostituindo. Essa jovem endurecida há muito tempo não tinha mais sensibilidade; em verdade nunca havia chorado na vida. O seu coração era frio, amargo e morto interiormente.

Então, no meio da mensagem, ela sentiu algo aquecido por dentro. Subitamente foi levada a orar: “Deus, se Tu existes, por favor me faça chorar”.

Uma lágrima começou a cair. Depois outra. E outra e outra, até que finalmente um mar começou a rolar por sua face. E foi saindo cada grama da amargura e dos sentimentos de rejeição.

Essa jovem era Cookie Rodriguez, que mais tarde escreveu o livro Please Make me Cry (por favor, me faça chorar). Ela foi levantada dos mortos! Nesse momento Cookie viaja pelos estados do país contando a história do poder de ressurreição vindo de Deus.

Deus está chamando todos os Seus filhos e filhas pródigos para voltarem

Não é importante para Deus o quanto você se afundou no pecado. Não é importante você achar que Ele não o ama. O amor e a misericórdia dEle estão à porta do seu coração. Simplesmente abra essa porta, agora mesmo. Ele entrará e lhe levantará em novidade de vida.

Eis o chamado de Deus para você, de Efésios 4:17-23 (em paráfrase):

“Não siga o caminho de alguns, que estão alienados da vida de Deus pela ignorância que há neles devido à cegueira de seus corações. Eles estão desprovidos de sentimentos e sensibilidade, e se entregaram à lascívia. Tire tudo isso de ti, e seja renovado – ressuscitado - no espírito do seu entendimento e modo de pensar”. Amém!

© 2009 World Challenge, Inc., PO Box 260, Lindale, Texas 75771

Nenhum comentário: