domingo, abril 22, 2012

O Único Meio de se Tornar Santo

David Wilkerson

A Bíblia diz que somos chamados para sermos santos “como Deus é santo”. Entretanto, como somos feitos santos aos olhos de Deus?
Considere as palavras de Pedro: “Mas, como é santo aquele que vos chamou, sede vós também santos em todo o vosso procedimento; porquanto está escrito: Sede santos, porque eu sou santo” (1 Pedro 1:15-16, itálicos meus).
Agora leia isso de Paulo: “Como também nos elegeu nele antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis diante dele em amor” (Efésios 1:4, itálicos meus). “Porque Deus não nos chamou para a imundícia, mas para a santificação” (1 Tessalonicences 4:7).
Paulo deixa claro neste último versículo: Deus não nos chamou apenas para a salvação, ou para o céu, ou para recebermos Seu perdão. Ao contrário, todos estes são benefícios do nosso verdadeiro e único chamado. E tal chamado é para sermos santos como o Pai é santo.
Todo crente na igreja de Jesus Cristo é chamado para ser santo como Cristo é santo. Em termos simples, isto significa ser puro e irrepreensível aos olhos de Deus.
“Mas isso é impossível” você diz. “Devo realmente ser santo como Jesus era? Ele era impecável, irrepreensível, perfeito. Como alguém poderia viver com aquele padrão tão elevado? Além disso, a Bíblia não diz, 'Não existe ninguém santo como o Senhor'?”
Este foi o verdadeiro propósito da lei – mostrar como é impossível para nós correspondermos ao padrão de santidade de Deus. Nenhum grau de força de vontade humana, de esforço ou habilidade poderia tornar alguém santo.
Então, se não existe ninguém santo além do Senhor, como verdadeiramente nos tornamos pessoas santas?
A santidade de Cristo tem se tornar a nossa santidade
Deus reconhece somente uma pessoa como santa: Jesus Cristo, nosso Salvador, mantém-se sozinho em perfeita santidade. E devido ao fato de somente Jesus ser santo e perfeito, Deus não reconhecerá nenhuma outra pessoa. Portanto, se de alguma forma queremos ser recebidos pelo Pai celestial, precisamos estar em Cristo. Ao nos colocarmos diante d'Ele, isso é unicamente pela graça de Cristo e nenhum mérito nosso.
“E reconciliasse ambos em um só corpo com Deus, por intermédio da cruz, destruindo por ela a inimizade” (Efésios 2:16). “Aboliu, na sua carne, a lei dos mandamentos na forma de ordenanças, para que dos dois criasse, em si mesmo, um novo homem, fazendo a paz” (2:15).
Por causa da obra de Cristo na cruz, o homem não podia mais tentar ser santo guardando a lei de Deus. Ele não poderia se tornar santo por meio de boas obras, conduta reta ou qualquer tipo de esforço humano. Ao invés disso, o Pai aceitaria só um homem como santo: o novo homem, ressuscitado.
E quando este novo homem apresentou ao Pai todos os que creem n'Ele, o Pai respondeu: “Recebo-os todos como santos, pois eles estão em Meu Filho santo”. “Nos fez agradáveis a si no Amado” (1:6).
Agora, este homem santo e irrepreensível tem um corpo. E nós formamos este corpo. “Ora, vós sois corpo de Cristo, e individualmente seus membros” (1 Coríntios 12:27). Nos tornamos osso do osso de Cristo e carne da Sua carne. E somos adotados em Sua família: “Nós, conquanto muitos, somos um só corpo em Cristo e membros uns dos outros” (Romanos 12:5).
Eis aqui a parte importante: por estarmos em Cristo, somos feitos santos. “Se a raiz é santa, também os ramos o são” (Romanos 11:16). “Eu sou a videira, vós, os ramos” (João 15:5).
Então veja, santidade não é algo que possamos atingir ou elaborar. Ao contrário, é algo que cremos por fé e confiança na obra de Jesus. Deus nos aceita como santos só por termos fé em Cristo e permanecermos nEle pelo Espírito Santo. Repito: o caminho para a santidade não é através de habilidade humana, mas através da fé - em nosso Senhor Jesus Cristo, que cumpriu tudo por nós.
Que resposta maravilhosa aos clamores ansiosos de multidões que têm sede de serem santos. Nós somos santos ao descansarmos na santidade de Cristo! Nossa santidade é a santidade dEle fluindo para nós - os ramos - da raiz.
Contudo esta doutrina da santidade não foi sempre a prática da igreja. Com freqüência a santidade foi considerada somente em termos de comportamento exterior. Para melhor entender este ponto da santidade, quero levá-lo de volta ao Velho Testamento e à importância de Moisés na sarça ardente.
Moisés contemplou uma sarça ardente brilhando como em chamas, no entanto ela não se consumia
Moisés estava só no monte Horebe, apascentando as ovelhas de seu sogro, quando essa visão estranha chamou sua atenção. Ao se aproximar para olhar mais de perto, Deus o chamou através do arbusto.
“Pelo que disse (Moisés): Agora me virarei para lá e verei esta maravilha, e por que a sarça não se queima. E vendo o Senhor que ele se virara para ver, chamou-o do meio da sarça” (Êxodo 3:3-4).
Deus estava presente na sarça. Por isso ela queimava, mas não se consumia. Era uma representação visual da santidade de Deus. (De fato, onde quer que o Senhor esteja presente, tal local é santo.)
Então, o Senhor disse a Moisés, “Não te chegues para cá; tira os sapatos dos pés; porque o lugar em que tu estás é terra santa” (3:5). Muitos de nós passamos por este versículo sem entender seu profundo e tremendo significado. E tem tudo a ver com o como ser santo.
Veja, Moisés estava prestes a ser chamado para o eterno propósito de Deus para sua vida. Este propósito era libertar Israel da escravidão. Mas primeiro Deus tinha de mostrar a Moisés o solo sobre o qual devemos nos aproximar dEle, o Senhor. Tem de ser solo santo. Em suma, Moisés estava sendo chamado para uma comunhão face a face com um Deus santo, e tinha de ser devidamente preparado para tal.
Moisés temeu quando Deus falou com ele: “E Moisés escondeu o rosto, porque temeu olhar para Deus” (3:6). Por que ele temeu? Foi porque ele teve uma revelação do impressionante solo santo sobre o qual Deus deve ser abordado!
O Novo Testamento contém um verso correspondente: “Nenhum mortal se glorie na presença de Deus” (1 Coríntios 1:29)
Este versículo de Paulo não é apenas uma verdade do Novo Testamento. Era verdade nos dias de Moisés. Moisés jamais poderia livrar o povo de Deus em sua própria força. Ele teria de saber, por si, de uma vez por todas que a obra de Deus não é cumprida através de habilidade humana, mas por total dependência e confiança no Senhor.
Todos nós sabemos que Deus livraria Israel de modo sobrenatural. E aqui na sarça ardente, Moisés estava sendo preparado para confiar que Deus produziria essa gloriosa obra. Ele aprenderia algo quanto a natureza de Deus, que mais tarde o ajudaria a confiar que o Senhor cumpriria tudo. Qual era esse aspecto da natureza de Deus? Sua santidade.
O mesmo é verdade para todo cristão hoje. Podemos tentar cumprir na carne o que pensamos que Deus quer. Mas o Senhor nos diz como fez com Moisés, “Existe somente um solo no qual você pode Me abordar, que é solo santo. Você não pode depositar confiança alguma em sua carne, porque nenhum mortal se gloriará na Minha presença. Meus propósitos jamais são cumpridos pelo que você cobra e exige de si mesmo”.
Então, por que Deus mandou Moisés descalçar as sandálias nessa passagem? Por que o foco nos pés de Moisés?
O Senhor estava usando um objeto comum do dia a dia para ensinar uma verdade espiritual, assim como Jesus faria usando moedas, pérolas, camelos e grãos de mostarda. Deus estava dizendo, “Moisés, você deve usar trajes de proteção para não machucar os pés. Mas nenhuma quantidade de proteção carnal pode sustentá-lo para onde lhe estou enviando. Você irá precisar de um milagre de livramento.
“Estou lhe enviando para o Egito, aquela fornalha de ferro, para enfrentar um ditador endurecido. Você estará em uma situação da qual somente Eu poderei livrá-lo. Portanto, deixe de lado toda confiança em sua carne, até mesmo sua brandura e humildade. Caso contrário, você será incapaz de cumprir o que estou chamando-o para fazer. Todas as suas habilidades serão inúteis a menos que Eu as santifique. Deposite sua total confiança no Meu nome e poder”.
Moisés iria enfrentar todos os tipos de lutas. Ele estava prestes a guiar 3 milhões de pessoas para o deserto, onde não havia mercearias, lojas de roupas, nem mesmo um poço de água. Ele teria de depender de Deus para prover tudo de modo sobrenatural.
Vamos lembrar, Moisés já tinha tentado agir como libertador na força da carne. Quarenta anos antes disso, ele tinha tomado a espada nas mãos e matado um cruel egípcio mestre de escravos. Agora Deus estava alertando, “Moisés, o seu zelo precisa ser santificado, ou irá destruí-lo. Você está disposto a baixar sua espada e confiar na orientação da Minha palavra? Você vai remover toda esperança de ser um libertador com sua própria força? Ao invés disso, você confiará em Mim para conduzi-lo para cumprir a Minha vontade?”.
A santidade que Deus requer de nós está acima e além de qualquer esforço humano para obtê-la
Ninguém pode alcançar santidade aos olhos de Deus em seu próprio esforço ou força de vontade. Não podemos nem mesmo servir ao Senhor adequadamente sem tomarmos a abordagem delineada a Moisés. Devemos ir a Deus dizendo, “Senhor, não tenho nada para Te dar. Tu tens de fazer tudo”.
É possível alguém ficar livre de toda luxúria, de todo desejo maligno, e ainda não ser santo. Você pode ser uma pessoa maravilhosa, um companheiro amoroso, correto e honesto, e ainda assim não ser santo. Todas as nossas bondades humanas são como trapos de imundície aos olhos de Deus. Ainda assim, muitos de nós pensamos, “Se eu apenas conseguir vencer está última coisa em minha vida, serei santo”. Então, empunhamos a espada da força de vontade e das boas intenções e decidimos matar o inimigo em nossos corações.
Amado, nunca vai acontecer. É tudo uma tentativa vã de ser vitorioso. Jamais poderemos ser santos pisando no solo da auto-justificação.
A verdade é que você e eu encaramos a mesma sarça ardente que Moisés. E Deus nos diz como fez com Moisés, “Você não pode se colocar diante de Mim nesse tipo de solo da carne. Só existe um solo sobre o qual alguém pode ser aproximar de Mim. É a fé no Meu Filho e em Sua obra na cruz”.
Todos vimos que Deus pode salvar os piores da humanidade. Podemos contemplar o pior ladrão, assassino, viciado ou alcoólatra - pessoas que não têm uma boa obra sequer – e confiantemente dizer, “Pelo arrependimento e pela fé, eles foram tornados justos em Jesus”.
Este é o poder verdadeiro e salvador de Deus. Todavia muitos cristãos vivem como se seus esforços e empenhos fossem suficientes para terem santidade. No dia do juízo estes estarão diante de Deus em sua carne, dizendo, “Olhe tudo o que fiz por Ti, Senhor. Eu me empenhei para permanecer limpo e santo. Profetizei, alimentei os pobres, curei os doentes, expulsei demônios. E fiz tudo para agradá-Lo”.
Mas Deus irá responder, “Nunca te conheci – porque você nunca esteve no solo adequado. Você jamais tirou os calçados deixando de lado sua confiança na carne. Você não fez nenhuma dessas coisas pelo poder do Meu Espírito. Você fez tudo com sua própria força. E isso realmente despreza a obra do Meu Filho na cruz. Aceito somente uma justiça – a do único Homem que considero. Isso torna estas suas obras carnais fedor às Minhas narinas”.
Existe apenas uma pergunta que devemos responder antes que aquele dia chegue: “Quando eu me apresentar diante do Senhor, Ele verá Seu Filho em mim? Serei santo em Cristo?”.
“Mas vós sois dele, em Cristo Jesus, o qual para nós foi feito por Deus sabedoria, e justiça, e santificação, e redenção; para que, como está escrito: Aquele que se gloria, glorie-se no Senhor” (1 Coríntios 1:30-31).
Paulo está dizendo basicamente, “Deus não permitirá que nenhum ser humano se glorie em suas próprias obras. Podemos glorificá-Lo somente através de Seu Filho, que todo dia está se tornando nossa sabedoria, justiça, e santidade”.
Só existe um solo sobre o qual somos feitos santos: confiança total e completa em Cristo
Quando falo de confiança total em Cristo, quero dizer não somente em Seu poder de salvação, mas também em Seu poder de conservar. Nós temos de confiar em Seu Espírito para nos conservar e nos amoldar à semelhança de Jesus.
Pense em seu próprio testemunho. Antes você era um estranho, excluído de Deus por obras perversas. Que boa obra você fez para se acertar com Ele? Nenhuma! Ninguém jamais foi capaz de salvar a si mesmo.
Igualmente, ninguém nunca foi capaz de se fazer ou se manter santo. Somos levados à santidade de Cristo diariamente somente pela fé, ao confiarmos no que a palavra de Deus diz: “Se você está em Cristo, você é santo como Ele é santo”.
“A vós também, que outrora éreis estranhos, e inimigos no entendimento pelas vossas obras más, agora contudo vos reconciliou no corpo da sua carne, pela morte, a fim de perante ele vos apresentar santos, irrepreensíveis, se é que permaneceis na fé” (Colossenses 1:21-23).
Repare na frase, “se é que permaneceis na fé”. Jesus está dizendo, “Continuem confiando em Mim, vivendo pela fé. Eu apresentá-los-ei limpos, irrepreensíveis, inculpáveis, santos diante do Pai”.
Amado, tudo isso é a obra de santificação do Espírito Santo. À medida que o Espírito lhe fortalece para mortificar as obras da carne, Ele o conduz pelo convencimento e pela consolação provenientes dEle.
Só existe uma santidade: a de Cristo. Portanto, nenhum crente é “mais santo do que tu”. Não existem graus de santidade, somente graus de maturidade em Cristo. Você pode ser um cristão novo e ainda assim ser absolutamente santo em Jesus. Então é tolice comparar-se a alguém que você vê como sendo “santo”. Todos nós somos medidos por um padrão, a santidade de Cristo. E se estamos n'Ele, a santidade d’Ele é nossa na mesma medida.
Você nunca mais pode olhar para um líder cristão e dizer, “Oh, eu gostaria de ser santo como ele!”. Você pode não ter a vida de oração ou a disciplina desta pessoa. Você pode se esforçar com mais frequência e cometer mais erros do que ela. Mas ela não é aceita diante do Pai mais do que você. Você não deve se comparar a ninguém, porque ninguém é mais amado aos olhos do Pai do que você!
Caro santo, tire suas sandálias. Abandone toda confiança em sua carne. Eis aqui o solo no qual você deve viver: “Reivindico minha santidade, que está em Cristo Jesus. Sou parte do Seu corpo. E meu Pai me vê como santo porque habito n'Ele”. Amém!
© 2011 World Challenge, Inc., PO Box 260, Lindale, Texas 75771

domingo, abril 01, 2012

Uma Paixão por Cristo

David Wilkerson

O que a palavra "paixão" significa para você como um cristão? Eu acho que a paixão em seu nível mais verdadeiro e mais profundo não pode ser definido por qualquer dicionário. Deixe-me mostrar-lhe a partir das Escrituras o que eu acredito que significa ter uma paixão por Cristo.

Enquanto eu lia a Bíblia, vejo a paixão por Jesus como uma obediência cada vez maior à sua Palavra. A maioria de nós pensa na obediência como o cumprimento, pessoal e individual aos mandamentos de Deus. No entanto, a obediência à sua Palavra tem implicações muito além disso. Não é meramente uma perseguição pessoal, mas um desejo ardente por causa do corpo do Senhor.

Sob a Velha Aliança, a paixão por Deus foi principalmente uma busca individual. Em todas as épocas escuras e más, uma pessoa levantou-se com um desejo ardente de obedecer a Palavra do Senhor e cumprir seu trabalho. Deus levantou Abraão durante esse tempo. Abraão seguiu o Senhor diante de nações hostis, e sua fé fervorosa fez dele o pai das nações.

Penso também em Noé. Quando o Senhor não podia mais suportar a maldade do homem e da violência, Noé obedeceu a Palavra de Deus com fervor inabalável. Ele ficou com as coisas de Deus em uma era devassa, ousadamente pregando a justiça. O mesmo aconteceu com Enoque, que andou com o Senhor todos os seus dias. Em outros tempos sombrios houve um Isaque ou um Jacó.

Mais tarde, quando a verdade tinha caído em Israel, Samuel seguiu o Senhor fervorosamente. Houve também Davi, cuja paixão por Deus mostrou em sua reverência para com os mandamentos. Em cada geração apóstata havia profetas piedosos que seguiram Deus fervorosamente e que falaram da Sua Palavra. Eu penso sobre Isaías, Jeremias, Ezequiel e todos os profetas menores.

No entanto, ao longo dos séculos a paixão por Deus permaneceu em sua maioria uma busca individual. Por quê? Ainda não havia um corpo de crentes com uma Cabeça dominante em glória. Cristo não tinha vindo. Ele ainda não "colocou os membros cada um deles no corpo, como lhe aprouve" (1 Coríntios 12:18). Isso aconteceu apenas após a morte e ressurreição de Jesus. Paulo declara: "Ora, vós sois o corpo de Cristo, e seus membros em particular" (12:27).

Sob a Nova Aliança, Deus está procurando mais do que uma busca individual de Cristo. Não é suficiente para nós nos afastarmos de um sistema apóstata religioso, declarando: "Eu vou ter uma paixão por ele como ninguém." Eu sei que muitos cristãos e ministros que compartilham tais ambições piedosas. Todo verdadeiro amante de Jesus quer manter um amor em brasa para ele.

No entanto, nossa busca por Cristo não pode ser só para nossa edificação. Deus não está interessado em ter apenas um homem cheio de Cristo, ou somente uma mulher governada pelo Espírito, ou um pastor totalmente entregue em uma igreja comprometida. Isto não está de acordo com sua Palavra.

Paulo proíbe-nos mesmo de insinuar: "Eu não sou do corpo" (1 Coríntios 12:15). Ele afirma: "O olho não pode dizer à mão: Não tenho necessidade de ti: nem ainda a cabeça aos pés: Não tenho necessidade de vós" (12:21). Paulo está dizendo, em essência, "Tudo que você faz - bem ou mal, sofrimento ou abençoado - afeta todo o corpo. Seu pecado não é mais apenas uma questão pessoal. Como você vive e o que você busca importa agora para cada membro."

Não podemos separar a nossa paixão individual de Cristo a partir de uma carga genuína e paixão por todo o corpo

Você pode orar e agonizar sobre seus pecados e falhas, clamando: "Senhor, retire o meu responsabilidade. Livra-me de esses hábitos." Mas você também ora e agoniza sobre o pecado e responsabilidade na igreja de Deus?

Nossas vidas são abençoadas como resultado de nossa paixão individual; com tal zelo vem a paz de Deus, descanso e favor. Mas você está satisfeito em ser uma ilha de alegria? Você está feliz apenas por seguir Jesus, enquanto todos à sua volta do corpo de Cristo estão sofrendo?

O grito no fundo da sua alma para uma caminhada mais santa não veio a partir de qualquer coisa sagrada em você. O Senhor colocou essa fome em você. Seu Espírito desperta e você despertou seu coração. E Ele fez isso para esta finalidade: "Para o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo" (Efésios 4:12). O Espírito de Deus nos coloca em chamas para provocar os outros! Nossa paixão é para inflamar os que nos rodeiam.

A verdadeira paixão para o Senhor começa com uma coisa: obediência. João resume o assunto com muita clareza: "Este é o amor de Deus, que guardemos os seus mandamentos" (1 João 5:3). É impossível ter paixão por Jesus sem uma obediência correspondente às suas ordens. Podemos gerar todos os tipos de emoções na tentativa de viver um amor ardente por Cristo. Mas não podemos realmente ter paixão por ele, se não obedecer à sua Palavra revelada.

Como eu buscava o Senhor sobre essa questão de aumentar a nossa paixão por Cristo, o Espírito dirigiu-me a duas áreas.

1. Precisamos olhar para o ensinamento de Cristo sobre a humildade.

"Quem se exaltar será humilhado, e quem se humilhar será exaltado" (Mateus 23:12). Jesus dirigiu esta declaração para as massas, especialmente para seus próprios discípulos. Sua mensagem é clara: A pessoa auto-exaltada é incapaz da verdadeira paixão por ele.

Jesus explica primeiro o crente auto-exaltado e repreende-o: "Os escribas e os fariseus... (fazem) todas as obras a fim de serem vistos pelos homens: eles... gostam do primeiro lugar nos banquetes, das primeiras cadeiras nas sinagogas e das saudações nas praças, e de serem chamados pelos homens: Rabi, Rabi... Aquele que é maior entre vós será vosso servo e todo aquele que se exaltar será humilhado, e quem se humilhar será exaltado." (23:01, 5-7, 11-12).

Jesus diz que a pessoa auto-exaltada é desonesta, dizendo que ele se senta "na cadeira de Moisés" - o que significa que ele tem autoridade na Palavra de Deus. Essa pessoa sabe o que as Escrituras dizem sobre uma caminhada, pura, santa e é preciso interpretar essa Palavra para as massas. Mas sua própria vida não está à altura do que ele ensina. Jesus diz de tais pessoas: "Não façais conforme as suas obras, porque dizem e não fazem" (23:3). Em outras palavras: "Não sigam o seu exemplo Eles estão vivendo uma mentira.".

Tais homens praticam o pior tipo de auto-exaltação, colocando-se acima da lei. Eles não hesitam em estabelecer fardos dolorosos de sacrifício no povo de Deus. Mas, pessoalmente, eles não levantam um dedo a obedecer às mesmas leis.

Se formos honestos diante de Deus, teríamos de admitir pecados relacionados. Às vezes até o mais diligente entre nós não pratica o que prega. Como Jesus salienta, "Você diz, mas você não faz."

Paulo pergunta: "Tu, pois, que ensinas a outrem, não ensinas a ti mesmo? Tu, que pregas que não se deve furtar, furtas?" (Romanos 2:21). Ele está dizendo, em suma, "Você faz bem para pregar contra esses pecados. Mas você não está lidando com eles em seu próprio coração."

O Espírito Santo não vai me deixar encobrir estas palavras de Cristo. Ele está me dizendo: "David, você realmente quer uma paixão por Jesus? Então deixe-me ir lá no fundo em seu coração. Eu preciso mostrar-lhe a sua desonestidade em todas as áreas que você precisa para lidar com elas. Eu quero que você meça a sua vida e seu ministério por esta Palavra."

Aqui está a chave para todos nós: Você está disposto a abrir seu coração para sua Palavra? Você vai se arrepender e voltar de toda a desonestidade e hipocrisia? Você vai pedir ao Espírito para condená-lo de qualquer auto-exaltação?

Jesus diz que o homem auto-exaltado também adora o reconhecimento e honra.

"Todas as suas obras com o fim de serem vistos dos homens... e amam o primeiro lugar nos banquetes e dos assentos nas sinagogas, e as saudações nas praças, e de serem chamados pelos homens: Rabi, Rabi" (Mateus 23: 5-7). Jesus está falando de líderes religiosos aqui. Ele está nos dizendo: "Estes homens adoram os holofotes. Eles querem os lugares de destaque em reuniões públicas. E eles gostam de ser reconhecido nas ruas."

Eu não posso condenar qualquer pastor ou evangelista pela auto-exaltação, porque eu posso ser tão culpado quanto o próximo pregador. Quando alguém perguntou a minha esposa quantos livros eu havia escrito, ela respondeu: "Eu acho que é cerca de doze." Eu rapidamente pulei, dizendo: "Não, na verdade, são trinta." Quando alguém perguntou quantas pessoas frequentam a igreja de Times Square, Gwen respondeu: "Eu não tenho certeza, mas centenas vêm para os cultos." Salientei: "Não, querida, é na casa dos milhares."

Jesus nos adverte: "Não queirais ser chamados Rabi [importante], porque um só é o vosso Mestre, a saber, o Cristo, e todos vós sois irmãos" (Mateus 23:8). Cristo está nos mostrando mais uma vez que a nossa auto-exaltação não é apenas um pecado pessoal, individual. Ele está apontando, "Vocês são todos irmãos e irmãs. E você é apenas um de muitos, então não se ache importante. Vocês são todos membros do meu corpo e eu sou o Cabeça."

Jesus continua a dizer: "Aquele que se humilhar será exaltado" (Mateus 23:12). É importante não confundir o significado de Jesus aqui. Humildade não é meramente o oposto da auto-exaltação. É mais do que praticar o que pregamos ou sentar no menor lugar da casa ou fazer boas obras em segredo. Claro, estas são todas coisas boas e aceitáveis aos olhos de Deus, mas nenhuma deles nos faz humildes.

Primeiro, a mais segura evidência de que alguém não é humilde é o que ele pensa que é. Então, não acho que você está sendo humilde através de sua mansidão, calma, auto-humilhação ou a auto-negação. Você não vai se colocar em humildade, por ignorar elogio ou se colocando para baixo. A verdadeira humildade é uma coisa só: a dependência total no Senhor.

2. O Ensinamento de Cristo sobre as somas de confiança no assunto de estar apaixonado por Ele.

Aqui está a perspectiva de Deus sobre como podemos crescer em nossa paixão por Cristo: Nós vemos a nossa necessidade de humildade. E a humildade é, em sua essência, a dependência total no Senhor. A palavra "dependência" significa "confiança para todas as coisas, em todas as coisas."

Somente a confiança total e completa faz uma pessoa humilde. Isso significa não ter agenda, nenhuma vontade própria e perdendo todos os direitos. Significa, também, saber quem tem o poder de todas as coisas e voltando-se para Ele com fé para o seu fornecimento. A genuína fé não se detém, dizendo: "Eu sou fraco." Ele também declara: "Ele é forte." Tal dependente confiança requer humildade.

Pedro escreve: "Humilhai-vos, portanto sob a poderosa mão de Deus, que ele vos exalte no tempo devido" (1 Pedro 5:6). Como é que nós nos humilhamos perante poderosa mão de Deus? Pedro nos diz no versículo seguinte: "Lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós." (5:7). O apóstolo deixa claro: "Humilhe-se, lançando as suas preocupações sobre o Senhor. A humildade exige confiança. Para ser humilde você tem que confiar na bondade de Deus para você.".

O próprio Jesus deu o exemplo. "Cristo Jesus... a si mesmo se esvaziou, assumindo para si a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens; e, achado na forma de homem, humilhou a si mesmo" (Filipenses 2:7-8). Como Jesus se humilhou? "[Ele] sendo obediente até à morte e morte de cruz" (2:8).

Jesus é nosso exemplo de um homem humilde. O Senhor, que criou todas as coisas e para quem todas as coisas foram feitas era totalmente dependente de seu Pai. Vemos a paixão de Cristo para o Pai, não apenas em suas longas noites de oração ou os milagres que realizava, mas na sua total dependência. Jesus afirmou de novo e de novo:

"Eu não posso de mim mesmo fazer coisa alguma. Como ouço, assim julgo, e o meu julgamento é justo, porque não busco a minha vontade, mas a vontade do Pai que me enviou" (João 5:30). "Não faço nada de mim mesmo, mas como meu Pai me ensinou, eu falo essas coisas. E aquele que me enviou está comigo: o Pai não me tem deixado só, porque eu faço sempre o que lhe agrada." (8: 28-29).

Aqui está o ponto da minha mensagem inteira: Sim, Jesus tinha um amor apaixonado pelo Pai. E ele provou a sua paixão pela sua dependência em obediencia ao Pai. Tudo que Jesus fez e sacrificou não foi para si mesmo em tudo. A morte e ressurreição de Jesus tinha tudo a ver com a formação de seu corpo de crentes. Sua vitória foi totalmente para nós: para você, para mim, para todos ao longo dos séculos a quem iria acreditar.

Mesmo um muçulmano poderia dizer, "Jesus manteve a lei de Deus. Ele foi para o deserto e venceu a tentação. Ele ganhou uma grande vitória pessoal sobre Satanás. E fez boas obras. Ele amava as crianças e ajudou as viúvas e os pobres. Ele também curou os doentes e ressuscitou os mortos. E ele próprio foi ressuscitado dentre os mortos e foi para o céu. Sim, Jesus deixou-nos um bom exemplo a seguir. Ele alcançou uma grande vitória, digna do paraíso.”

Mas o significado da vitória de Jesus não pára por aí. A vitória de nosso Senhor sobre Satanás desde a nossa vitória sobre o pecado. A pena que ele pagou foi para a nossa dívida, não a sua própria. Sua morte foi a nossa morte e sua ressurreição era nossa também. Ele realizou todas essas coisas para devolver-nos ao Pai. Seu propósito era o tempo todo para construir um corpo para si e para definir todos os membros no lugar que ele achar melhor.

Paulo nos diz: "Assim como pela desobediência de um só homem, muitos foram feitos pecadores, assim pela obediência de um muitos serão feitos justos" (Romanos 5:19). Eu acredito que há um princípio por trás da declaração de Paulo que vale para nós também. Afinal, se uma amargura cristã pode "contaminar muitos" (ver Hebreus 12:15), quanto mais a dependência de uma pessoa em Deus abençoe e santifique muitos?

Talvez como você leu esta mensagem tenha estado silenciosamente orando: "Senhor, por favor renove a minha paixão por Cristo." Se assim for, você precisa estar preparado para deixar o Espírito de Deus buscar o seu coração. Ele quer revelar a você qualquer área de desobediência à sua Palavra. E você deve estar disposto a ser governado e humilhado em obediência. Além disso, você tem que abandonar todas as suas próprias idéias a respeito da humildade. Finalmente, você tem que desenvolver uma paixão de obedecer a sua Palavra. Até seus mandamentos são o seu deleite, senão será impossível para você agradá-lo.

Se você quiser perseguir Jesus com paixão, sua vida vai se tornar um laboratório para todo o corpo de Cristo. Deus permitirá que você suporte coisas que não têm nada a ver com sua própria vida, mas que são lições para sua igreja. Agora, você pode se perguntar por que você está enfrentando certas provações que simplesmente não fazem sentido. Pode ser que o Senhor está usando seu exemplo para ministrar ao corpo maior. Ele está constantemente trabalhando em você, conforme a imagem de seu Filho. E esse trabalho divino em você pretende desencadear outros à obediência.

Meu querido, exorto-vos, faça esta oração: "Senhor, dá-me uma paixão por tua Palavra. E me faça obediente a sua vontade. Quero que outros vejam o seu trabalho em mim. Faça da minha vida um imã, para atrair muitos. para você. "

© 2011 World Challenge, Inc., PO Box 260, Lindale, Texas 75771