terça-feira, novembro 07, 2006

Um Clamor Sem Voz

Por David Wilkerson

Em Marcos 7, vemos Jesus realizando um grande milagre. Toda a dramática cena ocorre em apenas cinco versículos:

“De novo, se retirou das terras de Tiro e foi por Sidom até ao mar da Galiléia, através do território de Decápolis. Então, lhe trouxeram um surdo e gago e lhe suplicaram que impusesse as mãos sobre ele. Jesus, tirando-o da multidão, à parte, pôs-lhe os dedos nos ouvidos e lhe tocou a língua com saliva; depois, erguendo os olhos ao céu, suspirou e disse: Efatá; que quer dizer: Abre-te! Abriram-se-lhe os ouvidos, e logo se lhe soltou o empecilho da língua, e falava desembaraçadamente” (Marcos 7.31-35).

Imagine a cena. Quando Jesus chegou aos termos de Decápolis, encontrou um homem que era ao mesmo tempo surdo e gago. O homem conseguia falar, mas suas palavras não eram compreensíveis. Cristo levou o homem à parte, separado da multidão. Ali diante daquele homem, Jesus colocou os dedos nos próprios ouvidos. Depois cuspiu, e tocou em Sua própria língua. Falou duas palavras: “Abre-te”. No mesmo instante, o homem conseguiu ouvir e falar claramente.

Pouco antes desta cena, Jesus havia libertado a filha endemoninhada de uma mulher. Simplesmente proferindo uma palavra, Ele expulsou o espírito maligno da moça. Pergunto: por que estes dois milagres estão registrados nas Escrituras? Foram incluídos como apenas mais duas cenas da vida do Senhor na terra?

A grande maioria dos cristãos acredita que tais histórias foram preservadas nas Escrituras porque nos revelam muitas coisas - seu propósito é revelar o poder de Deus sobre Satanás e a doença; são prova da divindade de Jesus, para estabelecer o fato de que Ele era Deus em carne; e têm a finalidade de encorajar nossa fé, e mostrar-nos que Deus pode operar milagres.

Eu acredito que estas histórias foram registradas por todos estes motivos, e muito mais. Jesus nos diz que cada palavra que Ele profere veio do Pai. Ele não dizia nem fazia algo por conta própria, mas por orientação do Pai. Além disso, cada evento da vida de Jesus contém uma lição para nós, sobre quem “os fins dos séculos têm chegado” (vide 1 Coríntios 10.11).

Este milagre de Marcos 7 não é só sobre a cura de um homem que viveu há muitos séculos. Como cada evento registrado da vida de Jesus, isto tem um significado especial para nós hoje. E, como a parábola de Jesus sobre o tesouro escondido no campo, a nossa tarefa é cavar até encontrar este significado.

Creio Que Este Milagre Revela
a Misericórdia e a Compaixão Insondáveis de Cristo
Pela Geração Atual

Já há algum tempo, tenho ficado perplexo com questões sobre a atual geração de jovens. Essas perguntas ardem dentro de mim, e me deixam confuso. Mas creio que a história desse milagre contém uma revelação que responde a muitas destas perguntas.

Primeiro, quero perguntar quem era este homem que levaram a Jesus: “um surdo e gago” (Marcos 7:32). Não sabemos o seu nome. Mas creio que sabemos quem ele representa para nós hoje. Ele é um exemplo daqueles que “têm ouvidos e não ouvem” (Salmo 115.6). Evidentemente, este versículo refere-se à uma condição espiritual. Descreve um estado de surdez espiritual, uma incapacidade de ouvir e compreender a verdade de Deus.

Estou profundamente impressionado achando que este homem surdo e gago é como a grande maioria dos jovens de hoje. Creio que isto se aplica especialmente aos filhos de lares cristãos. Muitos simplesmente não parecem ter a capacidade de ouvir e assimilar a Palavra de Deus.

Estou falando dos bons garotos: os que são respeitosos, obedientes, não farristas. Não estão envolvidos com drogas, bebida, sexo ou imoralidade. Mas são extremamente passivos em relação a Deus. Em todos os meus anos de ministério, nunca vi tanta ausência de envolvimento com as coisas de Deus como nesta geração.

Tenho encontrado vários destes jovens espiritualmente surdos em muitos lugares do mundo. E durante anos tenho perguntado por que tantos jovens bons, especialmente aqueles criados por amorosos pais cristãos, podem ficar passivos em relação a Jesus. Ouvem mensagens ungidas, receberam um evangelho de amor, mas continuam não respondendo.

Tenho sofrido muito por ver esta situação com alguns dos meus próprios netos. Eles têm ouvido meus sermões, me ouviram pregar com lágrimas nos olhos e com a autoridade do Espírito. Mas não demonstram qualquer reação visível. Às vezes penso: “Talvez hoje seja o dia que o Espírito Santo vai derreter essa mornidão, essa passividade. Talvez verei uma lágrima para dar uma evidência de que Deus está tocando este coração jovem”.

Fico me perguntando: “Será que são inteiramente surdos? Ou será que rejeitaram a Deus? Será que fecharam os ouvidos para que não ouçam?”. Luto com estes pensamentos, porque sei que são garotos bons, que não rejeitaram Jesus. Mas simplesmente não possuem paixão. E Cristo mesmo adverte que pessoas boas acabarão no inferno, se forem mornos (ver Apoc. 3:16).

Vejo a mesma situação com muitos maridos cristãos. São homens bons, maridos fiéis, pais amorosos, provedores responsáveis. Quando vêm à igreja com as esposas, eu sei que elas estão orando: “Talvez hoje Deus tocará o coração do meu marido”. Mas no fim, ele apenas dá um sorriso e diz: “Gostei do culto de hoje. Volto com você qualquer dia desses”. Estes homens não rejeitaram Jesus. Não são ímpios, sensuais ou imorais. Mas se continuarem apenas admirando Cristo, estarão perdidos.

Tenho vários amigos que são assim também. Gostam muito de mim, e fariam qualquer coisa em meu benefício; de vez em quando, vêm à Igreja de Times Square e sempre elogiam minha pregação. Mas a Palavra de Deus nunca os alcança, nunca faz efeito. Eles sabem falar sobre a morte de Cristo, Seu sepultamento e ressurreição, porque já ouviram pregações sobre isto inúmeras vezes. Mas são passivos. Saem da presença de Deus da mesma forma como entraram: sem transformação.

Estou dizendo: todos eles têm ouvidos, no entanto não ouvem. São espiritualmente surdos.

Há Uma Única Esperança na Terra
Para Uma Pessoa Assim Ouvir e Falar

A única esperança do homem surdo e gago era chegar a Jesus. Precisava de um encontro pessoal com Ele.

Quero destacar que este homem não era como aqueles que Paulo descreve: “como que sentindo coceira nos ouvidos... e se recusarão a dar ouvidos à verdade” (2 Timóteo 4:3,4). Ele também não tinha “espírito de entorpecimento... ouvidos para não ouvir” (Rom. 11:8). Não era como aqueles descritos em Atos 28:27: “com os ouvidos ouviram tardiamente e fecharam os olhos, para que jamais vejam com os olhos, nem ouçam com os ouvidos”. E também não era como os que estavam presentes no apedrejamento de Estevão, pessoas que “taparam os ouvidos” (Atos 7:57).

O fato é que este homem queria ouvir. Ele queria desesperadamente ser curado. Entretanto, lemos no texto que “lhe trouxeram um surdo e gago” (Marcos 7:32, ênfase minha). Este homem não chegou a Jesus por conta própria. Teve de ser levado a Ele. Sem dúvida, deve ter ouvido falar sobre Jesus, e sobre o Seu poder de curar; além disso, sabia como se comunicar, através de gestos ou pela escrita. E conseguia andar por aí sozinho. Mesmo assim, nunca fez o esforço de chegar a Jesus por si mesmo. “Eles” tiveram de trazê-lo.

Quem eram “eles” neste versículo? Só posso especular: podem ter sido os familiares do homem, ou seus amigos, pessoas que se importavam o suficiente para levá-lo a Jesus. Creio que esta cena tem tanto a ver com a situação dos nossos jovens hoje. Eles não vão a Jesus por conta própria. É preciso que sejam levados pelos pais, amigos, pessoas da família da fé. Como os pais do surdo, nós também precisamos levar nossos filhos e queridos a Cristo. “Como?”, você pergunta. Através de oração confiante e diária.

Pense sobre isto. Suponha que foram os pais do homem surdo que o levaram a Jesus. Eles sabiam o quanto seu filho precisava de um encontro pessoal. Afinal, não podiam suplicar que o rapaz ouvisse. Seria tolice insistir com ele, ou ficar bravo. E seria cruel fazê-lo sentir-se condenado por não conseguir verbalizar os pensamentos do coração.

No entanto, muitos pais cristãos, incluindo a mim mesmo, conseguem ser muito cruéis com seus próprios filhos exatamente desta forma. Como? Ficamos aborrecidos com eles porque não conseguem nos dizer por que ainda não vieram a Jesus. Não conseguimos entender por que não são capazes de colocar em palavras os pensamentos do coração. A verdade é que são espiritualmente gagos.

Não dá nem para começar a imaginar como o mundo está afetando a geração atual. Os jovens de hoje têm suportado mais do que qualquer geração anterior. Experimentaram o terror do dia 11 de setembro de 2001; viram chacinas em escolas; ouviram de escândalos sexuais na presidência do país; viram evangelistas conhecidos sendo expostos como pecadores pervertidos. E agora estão acompanhando presidentes e diretores de grandes empresas sendo flagrados por terem trapaceado para satisfazer sua ganância egoísta. Seria de se admirar que estejam confusos sobre quem Deus é, e onde Ele situa-se nas suas vidas?

De fato, não importa por que nossos filhos chegaram à esta situação. É inútil tentar descobrir por que estão tão surdos à Palavra de Deus, tão incapazes de expressar o clamor de seu coração. Afinal, as escrituras não dizem como este homem surdo e gago chegou à esta situação. Nenhuma palavra menciona se nasceu assim. Isto simplesmente não importa. Da mesma forma, não há propósito algum em os pais cristãos investigarem o que podem ter dito ou feito de maneira errada na criação dos filhos. Não devemos ficar olhando para o passado, fazendo suposições, levantando culpas.

A verdade é que nenhum pai ou amigo íntimo pode levar um jovem surdo a ouvir - por meio de aconselhamento. Você não pode fazer um gago falar claramente, simplesmente por amá-lo. Não vai funcionar. E não há pastor, conselheiro, ou líder da mocidade que possa convencer o jovem a ouvir a verdade. Isto não acontece pelo amor, por condenação, ou aconselhamento. Eles simplesmente são surdos.

Só há uma cura, uma esperança, para nossos filhos e queridos poderem ouvir a verdade. E isto é um encontro pessoal com o próprio Jesus. “E lhe suplicaram que impusesse as mãos sobre ele” (Marcos 7.32). Em grego a palavra que foi traduzida “suplicaram” aqui, significa imploraram, clamaram. Estes pais imploraram a Jesus: “Por favor, Senhor, toca o nosso filho. Coloca Tua mão sobre ele”.

Qual Foi a Primeira Coisa que Jesus Fez
Quando o Homem Foi Levado a Ele?

“Jesus, tirando-o da multidão, à parte...” (Mc 7.33). Jesus soube imediatamente o que o homem surdo queria. Ele ansiava por seu próprio toque pessoal, sua própria experiência. Não dava para se contentar com algo que “eles” tinham encontrado. Tinha de ser real para ele. O homem queria que Jesus abrisse os ouvidos e soltasse sua língua. E tinha de acontecer entre ele e Jesus.

Você pode estar dizendo: “Você não está entendendo. Eu vi meu filho entregar o coração a Jesus há alguns anos. Ele se ajoelhou diante do Senhor e orou. Depois disso, afastou-se, mas já voltou correndo para Jesus arrependido. Ainda é um moço correto, sem imoralidade e bondoso, mas agora ficou morno. Parece não se importar com as coisas de Deus. O que aconteceu? Por que não se entrega completamente? O que o impede de se comprometer por completo?”.

A resposta é: ele ainda não teve seu próprio encontro com Jesus. Ele foi a Cristo baseado na experiência do pai, da mãe, ou do amigo. Entregou sua vida por causa da insistência de outra pessoa. Ou, talvez, tenha ouvido uma mensagem tão forte sobre o inferno que ficou com medo e correu para Jesus.

Há inúmeras razões por que a experiência não durou para seu filho. O que quero dizer é que ele não encontrou Jesus por si próprio. Pode ser que conheça a verdade por observar Cristo na vida dos outros. Mas não experimentou Jesus de forma pessoal. Ainda não foi tirado da multidão, e levado à parte, para receber seu próprio toque individual. A revelação precisa vir quando ele está a sós com o Senhor.

Se você já serviu a Deus durante muitos anos, quero lhe fazer uma pergunta: não é fato que você pode voltar ao passado e lembrar do dia ou do momento quando teve um encontro sobrenatural com Jesus? Ele o tocou, e você soube disso. Não foi uma experiência que recebeu por causa de outra pessoa. Não foi implantada em sua vida porque ouviu alguém pregar sobre isso. Você experimentou Jesus por si mesmo. É por isto que está confiante no que tem com Ele.

Jesus sabia que o homem surdo precisava deste tipo de encontro. Por isto comunicou-se com ele na sua própria linguagem: a linguagem dos sinais. “Pôs-lhe os dedos nos (próprios) ouvidos e lhe tocou a língua com saliva” (Marcos 7:33). Vejo Jesus colocando os dedos nos próprios ouvidos, apontando ao surdo e fazendo sinais com a boca. “Vou abrir teus ouvidos”. Então, pôs Sua língua para fora, tocou nela e cuspiu (provavelmente porque o gago não conseguia cuspir). Estava querendo mostrar: “Vou soltar os laços que amarram sua língua. E você será como todos os outros homens”.

Você consegue imaginar o que passava pela mente do homem surdo? Ele deve ter pensado: “Ele está falando a minha linguagem. Ele não está pedindo que eu O compreenda. Ele quer mostrar que me compreende! E levou-me à parte para não me envergonhar. Ele sabe como sou acanhado, e não quer fazer uma demonstração pública".

“Ele não está me questionando, nem me acusando. Sabe exatamente o que tenho passado. Sabe que não O rejeitei. Sabe que quero ouvir Sua voz, e falar com Ele. Sabe que meu coração deseja louvá-Lo. Mas não consigo fazer nenhuma dessas coisas, se não receber Seu toque sobrenatural. Ele deve saber que é isso que quero”.

Nosso Salvador demonstra o mesmo tipo de compaixão aos nossos queridos não salvos. Ele não fará espetáculo público com ninguém. Pense de como foi paciente e compassivo para com Saulo de Tarso. Este homem muito conhecido teria um encontro milagroso com Jesus. E Cristo poderia ter chegado a ele a qualquer momento. Ele poderia tê-lo derrubado enquanto Estevão estava sendo apedrejado, diante das multidões. Poderia ter feito da conversão de Saulo um exemplo público. Mas não o fez.

Ao invés disso, Jesus esperou que Saulo estivesse praticamente sozinho no deserto, montado no seu cavalo, “à parte da multidão”. Foi lá que Jesus chegou a Saulo, tocando-o de modo sobrenatural. E durante anos Saulo, que depois foi chamado Paulo, recontava a história daquele dia. Jesus lhe deu seu próprio toque sobrenatural, abrindo seus olhos cegos.

Você não precisa ir à frente numa igreja para ter um encontro com Jesus. A melhor obra dEle é feita em secreto. É por isto que ele nos diz: “Quando você for orar, vá para seu quarto, em secreto, longe da multidão. Então, busque-Me em particular. Eu o recompensarei em público”.

À Sós com Este Homem, Jesus

Faz Algo Extremamente Incomum

“Erguendo os olhos ao céu, suspirou” (Marcos 7.34). A palavra “suspirar” aqui significa um gemido audível. Aparentemente, Jesus fez uma expressão de dor e um gemido saiu do Seu coração. É claro que o homem não ouviu, porque era surdo. Mas por que este gemido?

Já li vários comentários sobre esta cena. Mas nenhum menciona nada a respeito do que o Espírito Santo está falando comigo através deste texto. Estou convencido de que Jesus estava olhando para o céu e comunicando-se com o Pai. Estava chorando baixinho em Sua alma em relação à duas coisas. Primeiro, chorava em relação à algo que só Ele podia ver neste homem. E segundo, chorava por algo que vê ainda hoje, trancado no coração de tantas pessoas, especialmente nos jovens.

O que Jesus viu, tanto naquele dia como hoje? O que Ele estava ouvindo, tanto no coração do homem surdo, como no coração de tantas multidões hoje? ELE ESTAVA OUVINDO UM CLAMOR SEM VOZ. Era um clamor de coração, abafado, incapaz de ser expresso. Agora o próprio Jesus gemia com um clamor que não conseguia ser expresso. Ele estava dando voz aos clamores de todos aqueles que não conseguem se fazer ouvir.

Pense quantas noites este homem chorou até pegar no sono, porque ninguém o entendia; nem mesmo sua mãe ou seu pai podiam compreender o que falava. Quantas vezes quis explicar o que estava sentindo, mas tudo que saía eram sons doídos, desajeitados. Ele deve ter pensado: “Se eu conseguisse falar, pelo menos uma vez. Se minha língua ficasse solta por um minuto; eu diria aos outros o que se passa na minha alma. Eu gritaria: ‘Não sou um idiota. Não estou debaixo de maldição. E não estou fugindo de Deus. Só estou confuso. Tenho problemas, mas ninguém consegue me ouvir’”.

Mesmo assim, Jesus ouviu os pensamentos do coração deste homem frustrado. Ele compreende cada gemido interior que não consegue sair. A Bíblia diz que nosso Senhor se comove com os sentimentos das nossas enfermidades. E Ele sentiu a dor da surdez deste homem, e da sua incapacidade de falar.

Creio que Jesus estava expressando a dor do Pai sobre cada clamor inaudível do coração. Era Deus encarnado, gemendo por todo clamor que provém do coração e não consegue achar uma voz: “O que está errado comigo? Eu não estou com raiva de Deus. E sei que Jesus é real. Eu O amo e quero servi-Lo. Mas estou confuso. Por que não consigo falar tudo isso que está abafado no meu coração?”.

Tenho onze netos, e todos os dias oro por cada um deles. Nestes dias estou orando diligentemente por alguns em especial, levando-os a Jesus através da oração intercessória. São garotos bons, obedientes, com pais amorosos. Todos confessam sua fé em Jesus, e têm corações sensíveis. Porém, vejo passividade neles.

Recentemente, tenho procurado encontrar tempo para falar com cada um em particular. Falo com eles: “Você sabe que estou orando por você; você sabe que seus pais estão orando por você, também. Sabemos o quanto você ama ao Senhor, lá no íntimo do seu coração. Mas por que está tão passivo? Nunca vejo você falar sobre as coisas de Deus. Não sei se você lê sua Bíblia ou se ora. Por favor, fale comigo sobre o que se passa no seu coração. Há alguma coisa atrapalhando?".

A princípio, apenas dão com os ombros. Depois me dizem: “Vovô, não sei. Não estou bravo com Deus. Só estou confuso. Acho que não sei explicar”.

E aí fico perplexo. Tenho que perguntar para Deus. “O que está acontecendo? Ouço um clamor, um som meio confuso, um anseio. Mas não conseguem colocar isso em palavras para mim. Parece que querem me dizer algo, mas não conseguem”.

Estou convencido que multidões de outros jovens estão na mesma situação. Se pudessem explicar seu clamor, seria mais ou menos assim: “Já vi tanta hipocrisia na igreja. Agora estou vendo isso também no mundo dos negócios, na escola, em todo lugar. Tenho problemas sentimentais, problemas com os amigos. Tá tudo acumulando em cima de mim. Mas não consigo falar com ninguém. Meus pais são abertos, mas parece que não consigo tirar para fora".

Não ouvimos este clamor. Nenhum ser humano consegue ouvi-lo; nem podemos esperar compreendê-lo. Então, o que devemos fazer? Sabemos que conversas a sós não abrem ouvidos surdos. Creio que só temos uma opção

Temos de Levar os Nossos Amados à Jesus, de Joelhos

Precisamos pedir a Cristo que lhes dê sua própria experiência. Temos de levá-los a Jesus, assim como os pais do homem surdo fizeram, para que recebam seu próprio toque pessoal. “... lhe suplicaram que impusesse as mãos sobre ele” (Mc 7:32). Devemos orar: “Senhor, encontre-os sozinhos. Envia o teu Espírito Santo para despertar e conquistar seus corações. Revela-Te a eles. Dá-lhes sua própria experiência”.

Há pouco tempo, um moço veio à frente durante uma reunião de oração. Ele estava abalado e chorando. Contou-me que era de outro estado, e que entrara ali no templo por acaso. Depois saiu, foi para um concerto, mas também não conseguiu ficar naquele evento. Agora estava de volta na igreja, e queria oração. Perguntei: “Seus pais são cristãos?” Ele respondeu: “Sim, estão sempre orando por mim”.

Pergunto a você: Foi apenas “por acaso” que este moço entrou em nossa igreja? Dificilmente. Ele estava tendo seu próprio encontro com Cristo. Ninguém o havia empurrado, nem insistido com ele. Entretanto, indiscutivelmente, foi levado a Jesus. Como? Minha convicção é que foi por intermédio das orações de seus pais.

“Depois erguendo os olhos ao céu, suspirou e disse: Efatá!, que quer dizer: Abre-te! Abriram-se-lhe os ouvidos, e logo se lhe soltou o empecilho da língua, e falava desembaraçadamente” (Mc. 7:34-35).

Jesus realizou um milagre em particular, só para este homem. E a primeira voz que o surdo ouviu foi a voz de Cristo. Certamente Jesus falou com ele, para provar-lhe que agora podia ouvir. Oh, como aquele homem deve ter conversado. De sua boca deve ter jorrado anos de sentimentos sufocados. Agora podia expressar aquele clamor interior que antes não tinha voz.

Imagino-o caindo nos braços do Senhor, chorando: “Jesus, o Senhor ouviu a voz do meu clamor” (veja Salmo 5.2). Considere a pungência e o poder do Salmo 5 para este homem curado: “Escuta, Rei meu e Deus meu, a minha voz que clama, pois a ti é que imploro. De manhã, Senhor, ouves a minha voz; de manhã te apresento a minha oração” (5: 2,3). O amor que este homem tinha por Jesus agora era uma experiência dele. Ele tivera um encontro com o Senhor.

Amado, quando você orar por parentes ou pessoas queridas, lembre-se que Jesus geme por eles. Ele não gemeu apenas por um homem em Decápolis. Estava chorando pelos clamores abafados e íntimos dos seus filhos, de seus parentes não convertidos, e dos meus. Talvez você precise mudar a maneira de orar por eles. Ore para que o Espírito Santo vá atrás deles, conquiste-os e os atraia, despertando e sacudindo-os com um novo desejo por Jesus.

Ore “Senhor, leve meu filho, meu parente, meu amigo, para longe da multidão. Faze com que fique isolado, sozinho conTigo. E dá-lhe o Teu toque. Faze com que tenha um despertamento particular e pessoal. Que seja uma experiência profunda e sobrenatural conTigo.”

Quero terminar com uma advertência: você está espiritualmente surdo para a Palavra de Deus? Está impedido de falar, incapaz de falar com intimidade a respeito de Jesus? Então não tem desculpa. Você sabe como chegar a Jesus. E sabe que Ele ouve o seu clamor. Ele está esperando que você encontre um lugar a sós com Ele. Esta é a hora de chegar-se a Cristo, para que Ele possa chegar-se a você (ver Tiago 4.8).

Em Lucas 18, lemos a respeito de um homem que foi à igreja orar. Ele ficou lá atrás sozinho, separado da multidão. Estava tão desesperado que a única coisa que conseguia fazer era olhar para baixo e bater no peito (ver Lc. 18:13). Estava usando linguagem de sinais, para dizer: “Senhor, ouve o clamor do meu coração. Estou cansado do meu vazio. Preciso de um encontro conTigo. Quero saber, eu mesmo, quem Tu és. Só Tu compreendes o que está no meu coração. E só Tu sabes o que estou passando. Não consigo orar, porque estou todo amarrado. Preciso do Teu toque, Jesus. Tem misericórdia de mim, pecador” (v. Lc. 18:13).

Jesus disse o seguinte a respeito dele: “Digo-vos que este desceu justificado para sua casa ... porque ... o que se humilha será exaltado” (Lc 18:14). Que seja assim para você também.

Copyright © 2002 by World Challenge, Lindale, Texas, USA.

Nenhum comentário: